Rádio Nova 102.5 FM

Rádio Online

Atleta bielorrussa vai para embaixada polaca após recursar-se a embarcar

Aatleta bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya se refugiou na embaixada da Polónia em Tóquio, nesta Segunda-Feira(02/7), após ter pernoitado no hotel do aeroporto de Haneda por se ter recusado a regressar ao seu país.

A informação foi divulgada pela Reuters, momentos após Clément Beaune, ministro da Europa e dos Negócios Estrangeiros francês, ter afirmado que seria uma “honra” a Europa oferecer asilo político à desportista de 24 anos.

A Polónia mostrou-se disponível para ajudar Tsimanouskaya, oferecendo “um visto de cariz humanitário e a liberdade para a atleta continuar a sua carreira no desporto” no país.

Krystsina Tsimanouskaya revelou, ontem, ter sido forçada a suspender a sua participação nos Jogos Olímpicos de Tóquio pelo selecionador da equipa bielorrussa, Iuri Moiseievitch, antes de ser acompanhada por responsáveis do Comité Olímpico Nacional bielorrusso para regressar ao seu país.

MAIS: Novak Djokovic cai nas meias-finais dos Jogos Olímpicos 2020

O regresso da jovem à Bielorrússia foi marcado após a atleta ter criticado violentamente a federação de atletismo bielorrussa, nas redes sociais, ao afirmar ter sido forçada a participar na estafeta 4×400 metros, quando inicialmente deveria competir nos 100 metros e nos 200 metros, pelo facto de outros atletas não terem realizado, segundo a sua versão, o número suficiente de controlos antidoping.

Entretanto, segundo o Comité olímpico bielorrusso, dirigido por Viktor Lukashenko, filho do Presidente Alexander Lukashenko, a atleta suspendeu a sua participação nos Jogos Olímpicos por “decisão dos médicos, devido ao seu estado emocional e psicológico”.

Em declarações ao meio digital by.tribuna.com, Tsimanouskaya referiu que tinha “medo de ser enviada para a prisão” na Bielorrússia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.