Rádio Nova 102.5 FM

Rádio Online

Colégio em Luanda é alvo de inquérito por recusar criança autista

A Inspecção-Geral da Educação abriu um inquérito ao colégio Julieta Essanju, localizado no distrito urbano da Ingombota, município de Luanda, após uma denúncia da mãe de uma criança autista, que acusa o estabelecimento escolar de ter deixado de receber o menor, de cinco anos.

A criança foi rejeitada quando se deslocou ao colégio no primeiro dia de aulas, uma atitude que a mãe diz não entender, por ter feito a matrícula, depois de ter recebido, da própria directora, a garantia de que a instituição de ensino tem “carácter de inclusão”.

Na denúncia pública, a mãe do menor autista referiu que o pequeno foi mandado de volta à casa, em menos de 30 minutos depois de ter chegado ao colégio, tendo a progenitora sido comunicada que o estabelecimento escolar já não continuaria com o menino, sem ter dado “qualquer explicação”.

No dia seguinte, a mãe do menino deslocou-se ao colégio imbuída do pensamento de que pudesse ter havido “uma acção impensada” e chegar a um acordo para o seu filho retomar as aulas. À chegada à escola, a senhora e o filho encontraram um ambiente hostil.

As professoras afastaram-se ao nos verem a chegar e a directora, publicamente e de forma ríspida, alegou não ter nada para falar comigo e que eu devia tratar tudo na secretaria para a retirada do menino do colégio”, lê-se no texto que circula nas redes sociais.

MAIS: Ano lectivo 2021/22 ganhará mais de cinco mil novas salas de aulas

A senhora abandonou o local sem ter recebido uma explicação que possa estar na base da decisão do colégio, cuja direcção “rejeitou e desprezou, sem qualquer dignidade”, o filho. A mãe do menor disse estar ainda mais revoltada por admitir que o colégio Julieta Essanju pode vir a não sofrer “qualquer consequência”, por ter rejeitado um aluno com necessidades educativas especiais.

Na sequência da denúncia pública, um inquérito foi aberto pela Inspecção-Geral da Educação, que está a trabalhar no caso com o Gabinete Provincial da Educação de Luanda. A direcção do colégio foi ouvida na sexta-feira e, na segunda-feira, a mãe da criança.

No sábado, contactada pelos jornalistas, a chefe do Departamento de Organização dos Serviços de Educação Especial do Ministério da Educação, Antonieta Gonçalves, referiu que, além de a instituição querer ouvir a versão da mãe do menino, seria também analisado, no encontro, o nível de necessidade da criança, para ser encaminhada para uma instituição escolar pública com condições de acordo com a sua necessidade educativa especial.

Segunda-feira, ao telefone, a mãe da criança disse ter recebido a garantia de colocação do filho pelo Ministério da Educação numa escola pública. O inquérito está a ser acompanhado de perto pela Associação Nacional do Ensino Particular (ANEP), que, segundo a mãe da criança, vai ajudar na realização de um diagnóstico para definir o grau de autismo do menor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.