Rádio Nova 102.5 FM

Rádio Online

Défice na produção de energia provoca restrições no Cunene

O défice na produção de três megawatts (MW), devido à paralisação de dois dos três grupos geradores da central térmica de Ondjiva está a provocar restrições no fornecimento de energia eléctrica na província do Cunene, desde o início deste mês.

O Cunene tem disponível 14 MW, para os 18 mil e 151 clientes controlados pela Empresa Nacional de Electricidade (ENDE), entre população e instituições públicas, nos municípios de Cuanhama, Namacunde, Ombadja e Cahama.
Para inverter a situação, está em curso a montagem de duas turbinas eléctricas na Central Térmica de Ondjiva, com capacidade de 25 megawatts cada.

Em declarações, na segunda-feira à Angop, o chefe de departamento de Redes da ENDE no Cunene, Zacarias Maria, referiu que a província necessita de  uma potência que corresponde a 17 MW, para fornecimento regular do produto.

Explicou que para não serem sempre os mesmos bairros restringidos, foi concebido um plano que obedece à rotatividade.
Por outro lado, Zacarias Maria disse que estão em execução 11 projectos de electrificação dos bairros e requalificação das linhas de baixa e alta tensão, nos mu-nicípios do Cuanhama, Na-macunde e Ombadja, num percurso de dois a oito quilómetros, bem como a montagem de quatro postos de transformação.

Fez saber que actualmente a dívida acumulada da ENDE é de 1.5 mil milhões de kwanzas, o que tem estado a condicionar a execução de novos projectos para estender a rede a outras zonas.

Zacarias Maria informou que os devedores podem  negociar com a ENDE, no sentido de amortizar a dívida. No caso de  uma dívida de 100 mil kwanzas, por exemplo, na primeira fase é aceite o pagamento de  50 por cento do valor e o restante  em três prestações.

Para além do grupo gerador em funcionamento, o Cunene conta com uma linha de transporte de 132 quilovolts até à Central Térmica de Ondjiva, que recebe actualmente 8,5 megawatts de energia eléctrica a partir da subestação de Onuno, localizada na vizinha República da Namíbia, no quadro de um acordo assinado entre os dois países em 1999.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *