Rádio Nova 102.5 FM

Rádio Online

Jornalismo tradicional aconselhado a seguir a velocidade das redes sociais

O jornalista Ismael Mateus disse hoje, em Luanda, que os órgãos de comunicação social tradicionais têm que trabalhar à velocidade da informação das redes sociais, sem perder de vista o foco de informar com verdade, para evitar a veiculação de notícias falsas.

O profissional de comunicação, que falava durante a jornada de reflexão alusivo aos 25 anos de existência da Associação dos Jornalistas Económicos (AJECO), a assinalar-se a 12 deste mês, referiu que o futuro do jornalismo deve acompanhar o que se publica na internet, por ser um fenómeno que mudou o paradigma da informação a nível mundial.

Ismael Mateus, que apresentou o tema “O passado, presente e futuro do jornalismo angolano”, indicou que o trabalho do jornalista perdeu limitações, com a explosão da internet, “porque uma mesma matéria pode ser publicada por profissional de rádio e ao mesmo tempo ser retomada pelas redes sociais, perdendo o jornalista o direito sobre a mesma e até de ser remunerado sobre a publicação deste artigo em outros meios”.

MAIS: Ajudeca lança relatório de auscultução sobre os incidentes em Cafunfo

Para si, apesar da velocidade que se impõe aos técnicos, há itens que nunca podem mudar no exercício da profissão, particularmente no jornalismo económico, como a necessidade de manter a sociedade informada, ajudar a comunidade a perceber os factos económicos, vigiar e fiscalizar o poder público, acompanhar os grandes fenómenos, factos e empresas do país e o combate a corrupção.

Quanto à resolução de alguns problemas da classe, disse não justificar a existência de um Ministério da Comunicação Social, porquanto ao ser criada a ERCA devia se ter dado poderes suficientes para exercer o papel de regulação, ao que se acresce os também poderes de auto-regulação da Comissão de Carteira e Ética (CCE).

Entende que a classe, ou os angolanos no geral, tem que deixar de se queixar das instituições, o que deve ser feito é garantir que a Comissão da Carteira e Ética funcione em pleno para acabar com irregularidades que ainda persistem do ponto de vista ético, como trabalhos incompatíveis com a profissão jornalística.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.