Rádio Nova 102.5 FM

Rádio Online

Médicos vão paralisar os serviços em sinal de protesto

Os médicos angolanos  paralisam, na segunda-feira, 27, os  seus serviços  durante uma hora, em solidariedade a um colega agredido pela família de uma paciente, na província de Benguela.

O médico António Dungula, do Hospital Geral de Benguela, foi alvo de agressão física em pleno exercício das suas actividades, após ter reanimado, sem sucesso, uma paciente, no momento de comunicar o óbito aos familiares da mesma.

Segundo  Adriano Manuel,  membro do sindicato dos médicos angolanos e falando aos jornalistas, explicou que trata-se de um protesto pacífico contra a agressão do colega.

Para o sindicalista, o sucedido configura uma ameaça ao bom exercício da medicina em Angola e uma violação aos direitos e deveres dos médicos, balizados nos estatutos da Ordem dos Médicos de Angola (OMA).

MAIS: Ordem dos Médicos de Angola cria o “Café da ORMED com a Media”

Pretende-se, adiantou, chamar a atenção ao Estado angolano para a criação de melhores condições de serviços  para poderem prestar um serviço de qualidade.

Adiantou que a paralisação será apenas em consultas externas  e outros serviços,  excluindo-se os bancos de urgências, cuidados intensivos e os serviços de Hemodiálise.

Adriano Manuel  afirmou que o colega foi vítima do sistema nacional de saúde que não é das melhores.

O nosso colega foi vítima do sistema nacional de saúde que não é dos melhores. Se o hospital tivesse um número de médicos suficientes nas enfermarias, provavelmente a paciente não teria perdido a vida. A paciente e o nosso colega não deixam de ser vítimas do sistema nacional de saúde“, disse.

O especialista considera importante chamar a atenção dos governantes para a necessidade de se criarem condições para que se pratique uma medicina de qualidade e para que se possa tratar bem os pacientes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.