Rádio Nova 102.5 FM

Rádio Online

MPLA conta com a mobilização da OMA para a vitória nas eleições

A vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, disse, hoje, 26, em Luanda que o partido conta com a experiência e a forte capacidade de mobilização da OMA para vencer os desafios políticos e eleitorais, como tem sido durante o seu percurso.

 

A “número dois” no partido no poder, que discursava no encerramento do VII Congresso Ordinário da OMA salientou que o MPLA precisa, cada vez mais, da união das mulheres angolanas no trabalho político e de mobilização.

Referiu que o congresso da OMA, apesar das condicionantes impostas pela pandemia da Covid-19, é “a expressão da extraordinária vitalidade e fortaleza da organização feminina do MPLA e da inabalável unidade em torno dos princípios e valores, baseados na consciência politica”.

Luísa Damião referiu-se ao apelo feito, na quinta-feira, pelo líder do partido, João Lourenço, para a necessidade de prestar maior atenção a uma advocacia plena das causas das mulheres em todas os segmentos, principalmente das mais vulneráveis e desfavorecidas.

“Almejamos que a OMA preste mais atenção aos assuntos importantes, onde a mulher deve ter voz activa, como o desenvolvimento do poder local e as eleições autárquicas, promoção de campanhas de alfabetização, diversificação da economia, empreendedorismo, literacia financeira e digital e programas para a retirada gradual de milhares de mulheres da economia informal, com todas as vantagens daí recorrentes”, disse.

A vice-presidente do MPLA espera que a OMA continue a sensibilizar e advogar, entre outros aspectos, a educação para a saúde da mulher, priorizando a saúde reprodutiva, atenção materno-infantil, assim como a protecção das crianças vítimas de abusos de todo tipo.

Neste particular, defendeu a necessidade urgente de iniciativas coordenadas de sensibilização sobre a importância do planeamento familiar, visando contribuir para a redução da morbidade e mortalidade feminina, especialmente por causas evitáveis.

Referindo-se à eleição da nova secretaria-geral da OMA, Luísa Damião afirmou que Joana Tomas acaba de assumir uma nobre e grande responsabilidade. Acredita que, com participação activa de todas, vai dar continuidade à defesa dos direitos das mulheres.

À secretaria-geral cessantes, Luzia Inglês, Luísa Damião reconheceu o seu esforço e trabalho realizado, e reiterou um forte abraço patriótico e que o seu nome ficará marcado na historia da importante organização do glorioso MPLA.

Considerou necessário que se eleva, cada vez mais, toda energia e renovação de espírito, como combustíveis para o trabalho na base com as mulheres, que auguram a maior aproximação, não apenas na identificação dos problemas, mas na solução e resolução participativa das inquietações que afligem as mulheres.

Para Luísa Damião o sétimo Congresso Ordinário da OMA ficará marcado nos anais da historia política da Organização, das presentes e futuras gerações, tendo em conta as ricas reflexões que reflectem no conjunto de documentos orientadores para o quinquénio 2021/2026.

Por outro lado, Luísa Damião, frisou que, em respeito à Constituição da República, o MPLA é um partido que dá uma especial atenção à mulher para que ela tenha a oportunidade, a semelhança dos homens, de exteriorizar as suas competências e habilidades.

Salientou que, este ano, o VIII Congresso Ordinário do Partido a paridade no género será uma realidade. “Para a história do nosso país e para que as outras organizações sigam não apenas na teoria, mas na prática, este ano alcançaremos a paridade do género de 50 por cento para homens e 50 por cento para as mulheres.

Para a vice-presidente do MPLA este ganho, aumenta a responsabilidade da OMA em colocar a maquina mobilizativa a funcionar ao máximo, em casa, no trabalho, no mercado, no campo levando a mensagem do apoio ao Presidente João Lourenço.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.