Rádio Nova 102.5 FM

Rádio Online

Novo líder dos muçulmanos em Angola quer unir comunidade

O novo presidente do Conselho Islâmico de Angola (Consia), sheikh Altino da Conceição Miguel,  tem como objectivo unir os muçulmanos em Angola,  e consequentemente  ver o Islão reconhecido como religião para poder erguer obras sociais em todo território nacional, como escolas, hospitais e orfanatos, para muçulmanos e não só.

Falando aos jornalistas, o Sheikh ainda argumentou que a sua Administração à frente do Consia tem dois focos: “A reconciliação, unificação e união entre todos os muçulmanos em Angola” e “o reconhecimento do Islão” no país.

É que, apesar de a convivência entre os povos ser “boa” e de “paz”, Altino diz que as comunidades islâmicas deparam-se com algumas barreiras no dia a dia, fruto desta falta de reconhecimento por parte das autoridades angolanas.

E exemplificou com a dificuldade em encomendar certos produtos, ou em proporcionar a vinda de um imã para pregar aos muçulmanos angolanos, o que não é possível pois não existe a figura de visto de missionário.

MAIS: Angolanos são a 4º nacionalidade estrangeira mais relevante em Portugal, diz relatório

Em carteira do Consia existe um inúmero elevados de projetos que os islâmicos em Angola gostariam de erguer, como uma escola, um hospital islâmico e um centro de órfãos, para já impossíveis dada a falta de personalidade jurídica.

Altino Umar dá o exemplo da sua própria família, na qual é o único muçulmano, para demonstrar como é tranquila a convivência entre muçulmanos e cristãos, estes últimos em maioria em Angola.

Angola é um Estado laico, com a religião separada do Estado“, disse, referindo que neste país africano “não existe uma lei que privilegie esta ou aquela religião“.

E as atividades religiosas, como as preces ao longo do dia, e datas importantes para os muçulmanos, são facilmente respeitadas em Angola, segundo o novo presidente do Consia.

Para o sheik, uma das áreas em que os muçulmanos em Angola têm demonstrado trabalho é na construção de mesquitas, que são já mais de uma centena, nomeadamente nas províncias de Luanda e Lunda Norte.

Ainda assim, referiu que “a criação de mesquitas não é a prioridade máxima, mas sim de hospitais, escolas e instituições socais para o bem dos muçulmanos e não só“.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.