Rádio Nova 102.5 FM

Rádio Online

Plataforma FTX investiga possível ataque informático após o seu colapso

A plataforma de criptomoedas FTX, que se declarou em bancarrota, anunciou, no sábado, que detetou uma série de transações não autorizadas que, segundo peritos, podem ser fruto de ciberataque e terão desaparecido 400 milhões de dólares em criptoativos.

Ryne Miller, assessor jurídico da FTX nos Estados Unidos, afirmou na rede social Twitter que a empresa está a investigar o ocorrido e que, como precaução para mitigar possíveis danos, acelerou a transferência de todos os ativos digitais para carteiras que não estão conectadas em rede.

Segundo vários media, um responsável da plataforma assegurou no canal privado da empresa no Telegram que a FTX foi vítima de uma operação de pirataria e pediu aos utilizadores para não utilizarem o seu ‘website’ e para apagarem aplicações relacionadas.

“Ainda sem confirmação, há indicações iniciais de que 473 milhões de dólares em criptoativos foram roubados da FTX durante a noite”, disse numa nota a empresa de análise de criptomoedas Elliptic.

Na sexta-feira, a FTX anunciou que pediu falência nos Estados Unidos e que o seu fundador e presidente executivo, Sam Bankman-Fried, se demitiu.

A decisão confirma o colapso total desta plataforma, uma das mais importantes do setor, chegando a estar avaliada em 32.000 milhões de dólares.

Nos últimos dias, as dúvidas sobre a solvência da companhia aumentaram por várias informações, o que levou muitos utilizadores a retirarem o seu dinheiro, deixando a FTX sem liquidez e procurando um resgate.

A situação complicou-se ainda mais na quarta-feira, quando a Binance, a principal plataforma de criptomoedas, anunciou que retirava a oferta de compra que tinha feito um dia antes, quando tinha apresentado uma proposta para apoiar a sua rival.

Entretanto surgiram numerosos detalhes sobre o funcionamento da plataforma, incluindo alegações de a FTX ter usado milhões de dólares depositados por clientes para financiar investimentos de risco através da sua empresa Alameda Research.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.