Rádio Nova 102.5 FM

Rádio Online

Presidente francês quer definir com Xi Jinping “rumo comum” para paz na Ucrânia

O Presidente francês, Emmanuel Macron, disse hoje, em Pequim, que quer definir um “rumo comum” com a China, para alcançar a paz na Ucrânia, quando reunir com o homólogo chinês, Xi Jinping.

As autoridades francesas disseram, anteriormente, que Macron vai instar Xi a usar a sua influência junto do presidente russo, Vladimir Putin, para promover a paz na Ucrânia, mas que não esperam grandes mudanças na posição da China.

Xi e Putin declararam, anteriormente, uma “amizade sem limites” entre os seus países, nas vésperas da invasão da Ucrânia, em fevereiro de 2022. Pequim recusou-se a criticar Moscovo, mas tentou manter uma imagem de neutralidade e apelou a um cessar-fogo e a conversações de paz.

Macron disse durante uma reunião com o primeiro-ministro chinês, Li Qiang, que queria falar sobre a “Ucrânia, mas também sobre todos os grandes conflitos e as situações difíceis em todo o mundo”.

“A capacidade de partilhar uma análise comum e construir um caminho comum é essencial”, apontou.

Li disse que provavelmente haverá um “amplo consenso” entre Macron e Xi, mas não deu nenhuma indicação se Pequim estaria disposto a pressionar Moscovo para acabar com a guerra. A reunião “vai enviar sinais positivos sobre os esforços concertados da China, França e Europa, para manter a paz e a estabilidade mundiais”, afirmou.

Macron foi acompanhado pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, numa demonstração de unidade europeia nas relações com Pequim.

Na quarta-feira realçou que quer “envolver a China em direção a uma responsabilidade partilhada pela paz” na Ucrânia.

O chefe de Estado francês disse ter esperança de que a China “vai participar de iniciativas úteis para o povo ucraniano”.

Pequim quer manter o governo de Putin como um parceiro diplomático viável, para contrapor a ordem democrática liberal liderada pelos Estados Unidos, e um fornecedor de energia de confiança.

As compras de petróleo russo pela China aumentaram 24% em termos homólogos em janeiro e fevereiro, permitindo à Rússia ultrapassar a Arábia Saudita como a maior fornecedora de crude do país vizinho, segundo dados oficiais divulgados no mês passado.

Isto suscitou uma relação que os analistas consideram ser assimétrica, a favor da China, mas Xi parece relutante em pressionar Putin.

Os 31 países membros da NATO alertaram na quarta-feira para “consequências graves” caso a China comece a enviar armas e munições para a Rússia.

O secretário-geral da aliança, Jens Stoltenberg, disse que fornecer “ajuda letal” seria um “erro histórico”. Ele alertou que haveria “consequências graves”, mas recusou-se a dar detalhes.

Na semana passada, Von der Leyen advertiu que a União Europeia deve estar preparada para desenvolver medidas para proteger o comércio e o investimento que a China possa explorar para os seus próprios fins militares e de segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *