Rádio Nova 102.5 FM

Rádio Online

Reino Unido autoriza comprimido da Merck, 1.º indicado para tratar Covid

O Reino Unido concedeu uma autorização condicional ao comprimido contra a Covid-19 da farmacêutica Merck, o primeiro comprovadamente eficaz no tratamento o novo coronavírus. É assim o primeiro país a aprovar o tratamento, embora não tenha resultado claro com que rapidez estará disponível no mercado.

O comprimido foi autorizado para adultos com 18 anos ou mais que tenham testado positivo para a Covid-19 e que tenham pelo menos um fator de risco para desenvolver doença grave.

O medicamento, conhecido como ‘molnupiravir’, deve ser tomado duas vezes ao dia durante cinco dias por pessoas que estejam em casa com a doença, tendo apenas sintomas leves a moderados.  Segundo a Associated Press recorda, este interfere na capacidade de o coronavírus copiar o seu código genético e de se reproduzir.

Hoje é um dia histórico para o nosso país, já que o Reino Unido é agora o primeiro país do mundo a aprovar um antiviral que pode ser usado em casa para a Covid-19”, referiu o ministro da Saúde britânico, Sajid Javid.

MAIS: OMS autoriza uso de emergência de vacina indiana

O ‘molnupiravir’ também está pendente de decisão/revisão pelos reguladores dos Estados Unidos, Europa, entre outros. A Food and Drug Administration (FDA) anunciou o mês passado que reuniria um painel de especialistas independentes, para examinar a segurança e eficácia do  comprimido, no final de novembro. O governo dos EUA já se comprometeu a adquirir 1,7 milhões de doses do medicamento, caso seja autorizado.

Os stocks iniciais serão limitados. A Merck garantiu conseguir o suficiente para 10 milhões de doses até o final do ano, mas grande parte desse fornecimento já foi comprado por governos de todo o mundo.

Em outubro, as autoridades britânicas anunciaram que garantiram 480 mil doses de ‘molnupiravir’ e que esperavam que milhares de britânicos vulneráveis ​​tivessem acesso, neste inverno, através de um estudo nacional.

A Merck anunciou os resultados preliminares do medicamento o mês passado, que demonstravam que o uso da droga fazia diminuir hospitalizações e mortes pela metade entre pacientes com sintomas iniciais de Covid-19. Os resultados ainda não foram, no entanto, examinados por cientistas externos.

Os médicos disseram que o tratamento seria particularmente importante para quem não responde bem à vacinação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.